O futuro da Terra Santa reside na unidade e na solidariedade. (João Paulo II)
Apague-se o círculo vicioso da violência, construa-se a paz duradoura baseada na justiça. (Bento XVI)

Noticias

Captulo Geral 2015 AA partir do século VIII, os monges beneditinos reuniam-se, após a primeira hora, para escutarem a leitura de um “capítulo” (capitulum) da Regra dos monges de São Bento.

Pouco a pouco, a mesma reunião da comunidade monástica foi designada “o capítulo” (do mosteiro) e o local onde se reunião “a sala capitular”.

Nos mosteiros havia dois tipos de capítulo: um servia para a consulta – o abade ou a abadessa pediam conselho à comunidade relativamente a um determinado tema; o outro tipo de capítulo servia para a formação – o abade ou a abadessa faziam um comentário sobre o significado da passagem da Regra que se tinha acabado de ler.

O “Capítulo Geral” foi estabelecido pelos monges Cistercienses (Ordem de Cister) em 1195. Todos aos abades cistercienses se reuniam uma vez ao ano na abadia de Citeaux em França.

Em 1215 no IV Concilio de Latrão (no cânone 18) ficou estabelecido que todas as Ordens Religiosas tinham que celebrar “Capítulos” de forma periódica (anual, trienal, sexenal, etc) seguindo o exemplo dos Cistercienses, como um meio de promover a reforma da vida religiosa.

No tempo de São Francisco, a palavra “capitulum” já tinha adquirido importância e gozava de uma larga e variada tradição.

Na nossa Ordem, desde 1209 até 1217, aproximadamente, celebrava-se o “Capítulo Geral” duas vezes por ano: um na festa do Pentecostes (Maio-Junho) e o outro na festa de São Miguel (29 de Setembro).

Durante uns anos (1218-1223), os Ministros de Itália e nas regiões vizinhas, celebravam todos os anos um Capítulo na festa do Pentecostes e também se celebravam capítulos provinciais, todos os anos, na festa de São Miguel.

A cada três anos, os Ministros das províncias “Transalpinas” assistiam ao “Capítulo Geral” que se realizava na Porciúncula.

Actualmente, celebramos um Capítulo Provincial ou Custodial, a cada três anos e um Capítulo Geral a cada seis.

 

Captulo Geral 2015

Purcincula 1O Capítulo Geral de 2015 começou no dia 11 do corrente em Assis, com a celebração da Eucaristia na Basílica da Porciúncula.

A celebração teve início no átrio da basílica, donde se juntaram todos os irmãos capitulares que, depois de escutarem um fragmento da 1 Cel, entraram em procissão, venerando o Evangelho, nas mãos do Ministro Geral, diante da pequena igreja-mãe da Ordem.

Presidiu à Eucaristia o Ministro Geral, frei Michael Perry acompanhado por sua Eminência Reverendíssima D. Francisco Javier Errázuriz Ossa, Cardeal chileno, membro do Conselho do Papa Francisco, que os acompanhará durante todo o Capítulo como Delegado Papal; também os acompanharam, o frei Júlio César Bunader, Vigário-Geral e o frei Aidan Mc Grath, Secretário-Geral.

Na primeira sessão do Capítulo, depois de aberta pelo Ministro Geral (que deu as boas-vindas a todos os irmãos capitulares e os convidou a agradecer o dom dos irmãos), o Cardeal Delegado dirigiu-se à assembleia para transmitir a saudação do Papa Francisco e a sua proximidade, assim como o seu pedido a retomarem a inspiração do Vaticano II, prosseguindo na renovação da vida e missão da Ordem.

O resto da sessão, de acordo como desejo do Definitório Geral, foi dedicado à reflexão e à oração.

Não podemos deixar de salientar a presença do Custório da Terra Santa, Frei Pierbattista Pizzaballa, assim como a do Provincial da Província Portuguesa da Ordem Franciscana, Frei Vitor Melícias.

(Caso queira acompanhar o dia-a-dia do Capítulo Geral de 2015, anexamos o URL para aceder: Capítulo Geral OFM 2015)

Captulo 2015 1

(Foto de todos os irmãos no primeiro dia do Capítulo Geral de 2015, com a Basílica da Purciúncula ao fundo)

 

jerusalmO papa Francisco anunciou no dia 14 de Fevereiro, no final da cerimónia de investidura de cardeais, que vai canonizar a 17 de maio próximo, quatro religiosas do século XIX, entre as quais duas irmãs palestinianas.

As duas novas santas palestinianas são: Mariam Bawardi (Irmã de Jesus Crucificado), nascida em 1846 na aldeia de Ibillin na Galileia, batizada na Igreja Greco-Melquita, e fundadora do Convento das Carmelitas de Belém (onde ainda é possível visitar a sua cela) e, Marie-Alphonsine Ghattas, nascida em 1856 em Jerusalém, que participou na fundação da Congregação das Irmãs do Rosário e trabalhou na ajuda a idosos e crianças.

O Patriarca Latino de Jerusalém, D. Fouad Twal, «comunicou a sua enorme alegria e a alegria que toda a Terra Santa sente pela canonização de duas filhas palestinas da Diocese de Jerusalém - Elas são para nós luz e consolo no meio das enormes dificuldades que são as nossas».

O Patriarca Latino alegra-se pela Diocese poder contar com o exemplo e as orações destas duas discípulas de Cristo.

 

santas palestinianas

 

OraoA PRÓXIMA EDIÇÃO DA ORAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE TODAS AS IGREJAS – UMA GRANDE ORAÇÃO DE INTERCESSÃO PELO NOSSO TEMPO

SERÁ REALIZADA EM 28 DE JANEIRO DE 2015 NA BASÍLICA DO GETSÊMANI EM JERUSALÉM, EM COINCIDÊNCIA COM A SEMANA DE ORAÇÃO PARA A UNIDADE EM JERUSALÉM.

O TEMA PRINCIPAL SERÁ O ECUMENISMO DO SOFRIMENTO.

A décima segunda Edição da Oração Extraordinária de todas as Igrejas para a reconciliação, a Unidade e a Paz será realizada a 28 de janeiro de 2015 às 17h00 da Terra Santa na Basílica do Getsêmani (também chamada de Basílica da Agonia), em coincidência com a semana de oração para a Unidade em Jerusalém. A oração extraordinária de 28 de janeiro de 2015 é hospedada e organizada pela Custódia franciscana da Terra Santa (encarregada da custódia dos Lugares Santos pela Igreja Católica Romana, ou Igreja Latina) e será presidida pelo Reverendo Custódio da Terra Santa, Pe. Pierbattista Pizzaballa.

Há muitos anos as Igrejas de Jerusalém atraem todos os Cristãos do mundo e todas as pessoas de boa vontade para se unirem em uma grande oração de intercessão em prol do nosso tempo. As várias Igrejas, que participam das orações organizadas pelas outras igrejas, se revezam na organização da oração. Elas se reúnem há várias décadas também para a semana de oração pela Unidade dos Cristãos. De fato, em Jerusalém, as Igrejas estão próximas uma da outra de modo único, pois todas estão presentes ao redor dos Lugares Santos. Aliás, as liturgias especiais ligadas ao serviço dos Lugares Santos encontram-se nas várias tradições eclesiais: elas formam, juntas, a especial «tradição de Jerusalém». As Igrejas de Jerusalém frequentemente lembram que a divisão da Igreja não veio de Jerusalém, mas sim de fora, e por graça do Senhor na Cidade Santa pode-se contemplar com estupor o Mistério da única Igreja de Cristo na sua diversidade, mais do que em qualquer outro lugar. A Oração Extraordinária de todas as Igrejas para a Reconciliação, a Unidade e a Paz, começando por Jerusalém, é fundada na fé da Igreja de Jerusalém, na sua vocação de ser ponto de partida para a Igreja, e de modo especial para sua Unidade, com o grande carisma da Pentecoste.

Neste tempo de prova terrível para muitos Cristãos no mundo e de modo especial no Oriente Médio, berço do Cristianismo, a oração de 28 de janeiro de 2015 se focará no tema do Ecumenismo do sofrimento, invocado durante a recente oração comum na Basílica do Santo Sepulcro entre S.S. Papa Francisco e S.S. o Patriarca Bartolomeu. A Basílica do Getsêmani, construída no próprio lugar onde Cristo iniciou a sua Paixão e sua grande oração Sacerdotal a Deus Pai, é um dos lugares mais ricos de significado para hospedar a oração e para a Igreja de Jerusalém, para se rezar em comunhão com o Corpo Sofredor de Cristo.

A celebração incluirá uma procissão dos líderes da Igreja e representantes das Igrejas de Jerusalém que levarão para os fiéis ramos de oliveira provenientes do jardim do Getsêmani. Ao término da oração, serão distribuídas pequenas garrafas de azeite abençoadas por todas as Igrejas, para se lembrar a unção crismal baptismal de todo Cristão, para se acompanhar as pegadas de Cristo, como sacerdotes, profetas e reis – até o martírio.

Como em todas as edições antecedentes da Oração Extraordinária, todas as Igrejas de Jerusalém e todas as comunidades cristãs e seus pastores de modo especial, são convidados a participarem pessoalmente. A oração será transmitida ao vivo ou diferido por vários canais televisivos cristãos no Oriente Médio, na Europa, na América do norte e do sul, e ainda, se for possível, na Ásia e na Austrália, em seis línguas, ao menos, para fazer com que todos no mundo possam se unir em comunhão espiritual com a oração de Jerusalém. Seguirá um documentário sobre a Custódia da Terra Santa, anfitriã desta edição.

A difusão da Oração Extraordinária é co-produzida, em apoio das Igrejas e comunidades de Jerusalém, pela Associação para a Promoção da Iniciativa de Oração Extraordinária (APEPI) e pelo Christian (já «Franciscan») Media Center (CMC), Jerusalém, que por sua vez contam com o apoio de canais televisivos cristãos especialmente comprometidos, como Canção Nova, Noursat, Telelumière e Maria Vision.

 

campanha de natal por belem 2014 1

A Campanha de Natal por Belém começa agora: O Comissariado da Terra Santa necessita da tua ajuda para as crianças e os mais pobres de Belém, cidade onde nasceu Jesus.

O Comissariado da Terra Santa em Portugal une-se à Associação Pro Terra Santa, este ano, na Campanha de Natal por Belém.

Temos como sonho alcançar o valor de 250.000,00€, todos juntos, para ajudar 350 famílias palestinas e 2000 crianças de Belém.

Para além das Boas-vindas a todos os peregrinos, da guarda e manutenção da Basílica da Natividade, os Franciscanos dedicam-se às crianças e jovens de Belém, prestando atenção às situações mais aflitivas.

O que se necessita para melhorar a situação de pobreza em Belém?

Os habitantes de Belém, cidade da Palestina, estão cercados por um muro que os isola e exaspera: neste contexto, a conflituosidade social aumenta e os primeiros a sofrer são, de facto, as crianças. Por esta razão, é essencial a actividade educativa e social dos Franciscanos da Custodia da Terra Santa: nas escolas, bem organizadas, as crianças não só recebem uma educação mas também toda a atenção de que precisam.

Os órfãos e os descapacitados são acompanhados e ajudados de maneira especial, assim como as famílias e os idosos que necessitam.

Além disso, nos Territórios Palestinianos não há nenhum meio de assistência médica publica. As famílias dependem dos seus próprios recursos para financiar a saúde, o que raras vezes se podem permitir, sobre tudo nos casos de doenças crónicas ou de urgências.

Por isso, este Comissariado se associou à Associação Pro Terra Santa e lança nesta época do ano, em que todos temos os nossos olhos voltados para a gruta onde nasceu Jesus, esta campanha para ajudàr as pedras vivas mais vulneráveis de Belém.

Apoie as actividades dos Franciscanos, em Belém, a favor das crianças nascidàs na Terra de Jesus.

Para que melhor perceba os valores de que se necessitam para esta ajuda às pedras vivas de Belém, a título informativo, fizemos um apanhado dos custos mensais, a valores de hoje, para assim poder orientar melhor o seu donativo:

10 € - Custo semanal do transporte escolar para uma criança
30 € - Compra de roupa de inverno para uma criança
50 € - Compra de leite para as necessidades mensais de uma criança
80 € - Gastos mensais de electricidade e água de uma família
100 € - Compra de medicamentos mensais para 3 doentes crónicos
600 € - Instalação de 2 bidons de mil litros de água para 2 famílias pobres
1800 € - Apoio mensal ao refeitório de idosos e pobres

No entanto, a todo e qualquer donativo damos graças a Deus, pois é dando que se recebe…

FAÇA JÁ O SEU DONATIVO!

                    NIB: 0018 0003 38640728020 02

Com o seu donativo passa a fazer parte da grande comunidade que ajuda os Franciscanos da Terra Santa. A sua oferta ajuda os cristãos de Belém a construir um amanhã mais belo e justo em toda a Terra de Deus - mesmo a mais pequena contribuição fará a diferença.

Obrigado por tudo o que esteja ao seu alcance!

Este Natal apoie os que trabalham para construir os pilares da Paz, numa Terra encruzilhar de amor, serviço e necessidade.

campanha de natal por belem 2014 2

visita solidriaCOMUNICADO DO PATRIARCADO LATINO DE JERUSALÉM

Segunda-feira, 10 de Novembro de 2014 de manhã, uma delegação de chefes das Igrejas de Jerusalém deslocou-se à Esplanada das Mesquitas, Haram al Sharif, para uma visita de solidariedade, de paz e de reconciliação. Depois da visita, a delegação emitiu, com o Conselho do Waqf islâmico de Jerusalém, uma declaração conjunta.

Da delegação faziam parte representantes da Igreja católica da Terra Santa: Sua Beatitude Fouad Twal, Patriarca Latino de Jerusalém, o seu Vigário em Jerusalém e na Palestina, Mons. William Shomali, o Vigário Patriarcal para os greco-católicos de Jerusalém, Mons. Joseph-Jules Zerey, e o Padre Ibrahim Faltas, Irmão franciscano.

No fim da visita, foi feita uma declaração conjunta em nome dos chefes das Igrejas e do Conselho Waqf islâmico de Jerusalém. De seguida o texto integral da declaração.

Declaração dos chefes das Igrejas e do Conselho do Waqf islâmico de Jerusalém

A 10 de Novembro de 2014, correspondendo ao 17 Muharram 1436h, uma importante delegação de Patriarcas e de Bispos da Cidade Santa e de representantes de todas as igrejas de Jerusalém deslocou-se à Esplanada de Haram al Sharif. Foram recebidos pelo Presidente e pelos membros do Conselho do Waqf islâmico e os quadros superiores do Awqf e pelo Governador de Jerusalém.

As duas partes sublinharam os seguintes princípios:
1. A situação histórica (Statu quo) da mesquita Al Aqsa (Haram al Sharif), do seu pátio, de todos os edifícios, e na cidade de Jerusalém, não deve ser modificada.
2. Sublinharam o pleno direito dos muçulmanos à oração e da sua liberdade de aceder à Mesquita Al-Aqsa, assim como a propriedade exclusiva desta última pelos muçulmanos de todo o mundo.
3. Lembraram a importância da guarda pelo reino hachemita de Al-Aqsa e dos lugares santos muçulmanos e cristãos em Jerusalém e na Terra Santa.
4. Sublinharam a continuidade do Pacto de Omar Ibn Khattab que liga cristãos e muçulmanos na unidade por uma coexistência fraterna na Cidade Santa, que é única no mundo. Esta aliança respeita o direito dos cristãos rezarem e praticarem a sua religião em plena     liberdade.

As duas partes comprometeram-se a rezarem pelo fim da injustiça e pelo restabelecimento da segurança e da paz nesta cidade que deveria ser um modelo de coexistência pacífica.

(Escrito em Nov 12, 2014 dentro Notícias locaisPolítica e sociedadeSlide)

visita aqsa 1

Os chefes das Igrejas e o Conselho do Waqf islâmico de Jerusalém.

jerusalm ao amanhecer 1COMUNICADO DO PATRIARCADO LATINO DE JERUSALEM

Face ao rápido agravamento da situação na Cidade Santa, os Patriarcas e Chefes das Igrejas de Jerusalém publicaram, no dia 6 de Novembro de 2014, uma declaração na qual dão parte da sua inquietude e onde condenam a escalada de violência, apelando ao respeito do Stato Quo, muito especialmente em Haram al Sharif, a Esplanada das mesquitas.

Declaração dos chefes das Igrejas de Jerusalém

Nós, chefes das Igrejas de Jerusalém, queríamos expressar a nossa grande inquietação relativamente às recentes actividades em Haram al Sharif, nomeadamente o total encerramento e as restrições ao acesso à Mesquita Al Aqsa. Estes acontecimentos foram provocados por actos extremistas que se tornam correntes na Terra Santa e na região.

Condenamos as ameaças de modificação do estatuto dos lugares santos, venham elas de onde vieram. Os Lugares santos precisam de uma constante e vigilante protecção para que o seu acesso seja mantido como previsto no Stato Quo, aceite pelas três religiões monoteístas.

Os patriarcas e chefes das Igrejas de Jerusalém

+ Patriarca Teófilo III, Patriarca grego-ortodoxo
+ Patriarca Fouad Twal.Patriarca latino,
+ Patriarca Norhan Magounian, Patriarca da Igeja apostólica arménia ortodoxa
+ Mons. Anba Abraham, Patriarca copta ortodoxo, Jerusalém
+ Arcebispo Swerius Malki Mourad, Patriarca sírio ortodoxo
+ Mons. Daniel Aba, Patriarca ortodoxo etíope
+ Mons. Joseph-Jules Zerey, Patriarca melequita
+ Arcebispo Mosa El-Hage, Exarca maronita
+ Mons. Souheil Dawani, Igreja episcopal de Jerusalém e do Médio Oriente.
+ Mons. Munib Malki, Exarca sírio católico
+ Mons. Joseph Antoine Kelekian, Exarca arménio católico.

(Escrito em Nov 11, 2014 dentro Comunicados de imprensa, Notícias locais, Política e sociedade,Slide)

 

Knayeh KircheFoi com imensa alegria que no dia 10 de Outubro (sexta-feira) recebemos a mensagem do Custódio da Terra Santa, Frei Pierbattista Pizzaballa, ofm, que transcrevemos:

«Paz e Bem!

Informo-vos que o Frei Hanna Jallouf foi libertado e encontra-se no Convento de Khayeh, na Síria.
O Frei Jallout não pode sair da cidade, mas está livre para se movimentar dentro da mesma.
Em breve, darei mais notícias.

Fraternamente,
​Frei Pierbattista Pizzaballa ofm
Custódio da Terra Santa»

 

 

Frei Hanna Jallouf ofmO Custódio da Terra Santa, Frei Pierbattista Pizzaballa, ofm, veio confirmar o rapto do Frei Hanna JALLOUF, ofm, ocorrido no dia 5 de outubro de 2014, em Knayeh na Síria, pelas brigadas de Jahbat Al-Nusra.

Frei Hanna JALLOUF pertence à Custódia da Terra Santa e é pároco na Síria, em Knayeh (Qunayeh).

Juntamente com o Frei JALLOUF, vários homens da comunidade cristã desta localidade, foram raptados.

Também as religiosas Franciscanas que se encontravam no seu Convento, foram obrigadas a refugiarem-se em casas particulares.

Até este momento, a Custódia da Terra Santa ainda não conseguiu localizar o Frei JALOUF e os seus paroquianos nem foi contactada, de alguma maneira, pelos raptores.

Rezemos pelo Frei Hanna JALLOUF, pelos seus paroquianos e por todas as vítimas desta guerra, trágica e sem sentido.

Frei Couto 1

No dia 9 de Setembro de 2014, pelas 06h00, na Enfermaria Provincial do Convento da Imaculada Conceição, à Luz, em Lisboa, faleceu Frei António Couto. Tinha 90 anos de idade e 62 anos de profissão religiosa.

A Missa de Corpo Presente foi presidida por D. Frei António Montes Moreira OFM e pelo Ministro Provincial, Frei Vítor Melícias Lopes, no dia 10 de Setembro, na igreja do Convento da Imaculada Conceição, no Largo da Luz, em Lisboa.

Após celebração religiosa, Frei António Couto foi a sepultar no cemitério da sua terra natal, Carvoeira em Torres Vedras.

 

ANTÓNIO COUTO

Nasceu na freguesia de Nossa Senhora da Luz, em Carvoeira, Torres Vedras, a 3 de Junho de 1924, filho de Maria Sofia da Conceição. Tomou hábito a 14 de Agosto de 1951 e professou temporariamente a 15 de Agosto de 1952 e professou solenemente a 8 de Novembro de 1956.
Partiu para as Missões de Moçambique em 1957, onde na Missão da Barada desenvolveu os mais variados serviços: agrícolas, administrativos e pastorais, tendo regressado a Portugal no fim de 1974.
Em 1976 partiu para o serviço da Terra Santa, tendo aí servido, primeiro, nas fraternidades de Getsémani e de Nazaré, tendo sido depois, no Convento de São Salvador, Enfermeiro-Mor da Custódia, onde tratou com muita solicitude e agrado os irmãos doentes.
Em 1981 passou para o Santuário do Tabor e, meses depois, no mesmo ano, volta de novo ao Santuário do Getsémani.
Em 1991 foi transferido para o Convento de Betfagé com a responsabilidade de acolher os peregrinos e administrar a casa.
Regressa a Portugal a 29 de Julho de 1992 e é colocado no Convento de Santo António do Varatojo, sendo o seu principal ofício o de porteiro.
Devido ao seu débil estado de saúde, passa para a Enfermaria Provincial da Luz, em Maio de 2008, onde veio a falecer.
Pela sua inteligência, conhecimento dos homens e das coisas, sentido da vida fraterna e dedicação ao trabalho, soube ser, em toda a parte, um exemplar religioso franciscano.

O Senhor lhe dê o eterno descanso.

Pág. 1 de 4
« Dezembro 2017 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
© 2012 - Comissariado da Terra Santa em Portugal
Todos os Direitos Reservados.